Cotidiano

Município fecha ano com balanço positivo pela primeira vez em 10 anos

0
Foto: Divulgação
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 

Pela primeira vez desde 2007, o município de Americana fechou o ano sem ampliação da dívida e com despesas dentro da receita executada. O fechamento do 3º quadrimestre foi publicado oficialmente nesta terça-feira.

“Ainda há muito a se fazer por Americana. Os problemas deixados foram muito grandes, mas o primeiro passo para se sair de uma crise é cuidar bem das contas públicas, ser responsável, e parar de agravar os problemas. Isso nós temos feito”, disse o prefeito, Omar Najar.

O prefeito destacou entre as ações que levaram ao balanço final positivo, a racionalização de gastos em todo o âmbito da administração pública, a redução do custo com folha e o investimento dentro das próprias capacidades.

O município teve receita de R$ 718.565.095,52 e despesa de R$ 700.675.483,05 ao longo de 2017. A diferença positiva de R$ 17.889.612,47 não pode, no entanto, ser confundida necessariamente com dinheiro em caixa, uma vez que há pagamento de dívidas e restos a pagar dos anos anteriores. “Trata-se de um dado contábil, mas que não resultou em dinheiro no caixa da prefeitura”, explicou o secretário da Fazenda Ricardo Lopes Fernandes.

“O dado positivo deve ser comemorado, já que desde 2007 não se encerrava o ano sem déficit, mas ainda não representa o fim da crise econômica da cidade. O déficit dos anos anteriores, além das quedas de previsão orçamentária e a série de dificuldades pelas quais a cidade passou, ainda se refletem nas contas municipais”, disse o secretário.

Na última década, o déficit ao final dos anos teve seu ápice em 2014, com saldo negativo de R$ 157,4 milhões, e em 2011, com balanço negativo de R$ 92,9 milhões; pela primeira vez desde então, a dívida parou de aumentar e começou a diminuir.


Tivoli Shopping realiza treinamentos de Primeiros Socorros

Notícia Anterior

Homem é pego vendendo drogas na Praça Comendador Muller

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Cotidiano