Brasil

Bolsonaro volta a questionar derrota e diz que ‘governo Lula não vai durar’

0

Foto: Isac Nóbrega/PR
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

Em seu primeiro discurso como ex-presidente, Jair Bolsonaro (PL) voltou a incentivar apoiadores a questionarem o resultado das urnas. Em palestra nos Estados Unidos, onde mora desde 30 de dezembro do ano passado, Bolsonaro ainda pôs dúvida sobre a continuidade da gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Vamos mudar o destino do Brasil, podem ter certeza. Em pouco tempo, teremos notícias, ou, por si só, se esse governo continuar na linha que demonstrou nesses primeiros 30 dias, não vai durar muito tempo”, disse.

Ao longo do discurso feito em palestra a uma pequena plateia na cidade de Orlando, Bolsonaro exaltou o que considera feitos de seu passagem pelo Planalto, principalmente no âmbito da economia, e voltou a insinuar que o resultado da eleição presidencial foi fraudulento. “Nunca fui tão popular como no ano passado. Muito superior a 2018. No fim das contas, a gente fica com uma interrogação na cabeça”, disse. Nesse momento, o público começou a gritar: “foi roubado!”.

A declaração seguiu a mesma estratégia adotada por sua campanha antes e depois da eleição, quando Bolsonaro entrou em diversos embates com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) buscando desacreditar as urnas eletrônicas. Sua base aliada chegou a tentar aprovar no Congresso a votação por meio de cédulas impressas, supostamente para combater fraudes que nunca foram comprovadas.

Eleição no Senado

Apesar de estar fora do País, Bolsonaro procurou defender seu candidato à Presidência do Senado, Rogério Marinho (PL-RN), e afirmou que a eleição desta quarta-feira, 1º, “é muito importante”. Segundo ele, a vitória de seu ex-ministro seria uma esperança para a garantia da “liberdade” no País.

“Amanhã (hoje) é um dia importantíssimo para todos nós, brasileiros. A eleição da mesa do Senado Federal representa para nós, de acordo com a chapa vencedora, a volta à normalidade, uma certa pacificação. A nossa liberdade passa a ganhar fôlego novamente”, afirmou. “Temos esperança na eleição de Rogério Marinho para o Senado”, disse.

Bolsonaro admitiu que tem ligado a aliados para pedir votos a Marinho, como mostrou o Estadão. A ala do ex-presidente no Congresso e militantes bolsonaristas fazem campanha nas redes sociais pressionando parlamentares a votarem no candidato do PL. “Conversei com alguns (senadores), alguns ligaram para mim também. Temos conseguido trazer gente para o nosso lado”, afirmou.

O ex-presidente também relembrou o fato de estar nos Estados Unidos desde o fim do ano passado. Como mostrou o Estadão, ele solicitou visto de turista para permanecer no país por mais seis meses. Segundo Bolsonaro, o Brasil vive um momento “delicado”. Se referindo à plateia, composta por brasileiros, o ex-chefe do Executivo afirmou que muitos gostariam de retornar ao País, mas têm medo. “Acredito que eu tenho colaborado para unir as pessoas de bem do Brasil”, disse.

Trump

Bolsonaro já tem novo compromisso político marcado nos Estados Unidos. Nesta sexta-feira, 3, o ex-presidente irá palestrar em um evento, em Miami, realizado por uma organização associada ao ataque ao Capitólio, promovido por apoiadores de Donald Trump em 6 de janeiro de 2021 para tentar impedir a certificação da eleição de Joe Biden.

A Turning Point USA, que promoverá o evento, foi fundada pelo americano Charlie Kirk, apontado nos EUA como parte da engrenagem que ajudou a financiar o comício de Trump que precedeu a invasão do Congresso americano. Aos 29 anos, Kirk é um dos agitadores políticos da extrema direita americana mais bem-sucedidos. Além de aparecer em listas dos perfis com maior capacidade de influência na disseminação de desinformação, ele arrecada dinheiro de doadores para manter as operações de suas organizações, a Turning Point USA e a Turning Point Action – a segunda é um braço político da primeira.




Governo Lula retira sigilo e divulga lista de convidados do coquetel de posse

Notícia Anterior

Governo Lula determina cadastro de todas as armas em sistema da PF em até 60 dias

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Brasil