Geral

Homem tenta ver o quintal do vizinho após ouvir estampidos, leva tiro no rosto e morre

0
sirene polícia
Foto: Pixabay
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

Dois casais de amigos estavam na casa de um deles, em Pirapó, distrito do município de Apucarana, no Paraná, quando ouviram barulhos semelhantes a tiros, aparentemente vindos da casa vizinha. Bruno Emídio da Silva Júnior, então, subiu em um suporte para botijão de gás para ver por sobre o muro o que ocorria na casa vizinha. A namorada pediu pra ele descer, mas ele insistiu em olhar o quintal do imóvel vizinho. Levou um tiro no rosto, caiu e morreu no local. O caso ocorreu na noite de sábado, 9, em uma casa na rua João Batista Judai.

Segundo a Polícia Civil de Apucarana, o tiro foi disparado pelo morador da casa vizinha, o empresário Agnaldo da Silva Oroski, de 41 anos. Ele fugiu e se apresentou à polícia na segunda-feira, 11. Por ordem judicial, Oroski está preso desde quinta-feira, 14, na cadeia pública de Londrina.


Participe do grupo de empregos do Portal de Americana no WhatsApp. Clique no link: https://chat.whatsapp.com/JbK7hgnUkWZ7g3vsCcGNj6

Segundo a Polícia Civil, em depoimento, o empresário alegou ter agido em legítima defesa. Disse ter ouvido barulhos no telhado, e por isso foi ao quintal e viu um homem supostamente tentando pular o muro. Por isso atirou contra ele.

A versão dos amigos de Silva Junior é diferente. Eles afirmaram à polícia terem ouvido vários supostos disparos na casa vizinha, e por essa razão ele tentou averiguar o que acontecia, pelo muro Após o disparo, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado, mas quando chegou a vítima já estava morta.

Silva Júnior foi velado no ginásio de esportes de Pirapó e sepultado no cemitério municipal Cristo Rei, em Apucarana, na segunda-feira.




Prefeitura de Americana entrega escritura da casa própria para 67 famílias

Notícia Anterior

Nos 60 anos do golpe, novo Lula prefere silêncio sobre 1964

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Geral