Geral

Condenado pelo TSE, Bolsonaro reconhece inelegibilidade e diz que País ‘caminha para ditadura’

0
O governo federal lança o Novo Marco de Garantias em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente Jair Bolsonaro.
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

Depois de resistir por semanas a fio a reconhecer sua derrota nas eleições, o ex-presidente da República Jair Bolsonaro assumiu rapidamente sua inelegibilidade, declarada nesta sexta-feira, 30, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Estou inelegível a partir de agora”, reconheceu Bolsonaro aos gritos, inconformado com o resultado.

Ele falou à imprensa em Belo Horizonte e afirmou que o Brasil está em “caminho bastante avançado” para se tornar uma ditadura, ainda que a decisão judicial tenha sido tomada de forma colegiada. “Isso não é democracia”, disparou, após a condenação.

canal whats

Bolsonaro afirmou que foi condenado “pelo conjunto da obra” e que o TSE trabalhou contra ele inclusive durante o processo eleitoral. “Acredito que hoje tenha sido a primeira condenação por abuso de poder político”, declarou o ex-presidente. “Foi uma condenação sem crime de corrupção, mas tudo bem”, seguiu.

“Acrescentar camadas de segurança é crime na questão eleitoral? É abuso de poder político defender algo que sempre defendi como parlamentar?”, reclamou Bolsonaro.

Ele garantiu que a direita brasileira seguirá seu próprio caminho, com ele como cabo eleitoral. “Vamos continuar trabalhando.”

Para Bolsonaro, o Brasil não reconheceu seu “esforço” em “jogar dentro das quatro linhas da Constituição”. “Não gostaria de me tornar inelegível. Hoje tomei uma facada nas costas com inelegibilidade por abuso de poder político.”

O ex-presidente afirmou que quem contribuiu com sua inelegibilidade deveria, “por coerência”, confraternizar com os ditadores Nicolás Maduro, da Venezuela, e Daniel Ortega, da Nicarágua, aliados de Lula. “Me tiraram de combate com o Ortega convidado para o Foro de São Paulo”, reclamou Bolsonaro, sobre o evento que acontece nesta semana em Brasília.

Bolsonaro afirmou que a transição de governo foi feita “na normalidade”, apesar da resistência de sua administração em colaborar com a passagem de bastão para o PT. “Desde que assumi, falavam que eu iria dar um golpe. Quem fala em golpe no 8 de janeiro não sabe o que é golpe, é analfabeto político. Ninguém dá golpe com senhorinhas com bandeira do Brasil”, minimizou o ex-presidente sobre os graves atos golpistas do início do ano.

Condenado nesta sexta-feira pelo TSE, o ex-presidente reclamou de um suposto processo parado na Justiça sobre a segurança das eleições de 2018, mesmo que o processo eleitoral tenha o carimbo de lisura de instituições nacionais e internacionais.

Para Bolsonaro, ainda não há um substituto para Lula nas eleições de 2026, nas quais o presidente pode disputar a reeleição.

“O TSE poderia estender o mandato de Lula por aclamação”, afirmou o ex-presidente, em uma declaração sem lastro na legalidade.



Moraes nega que julgamento de Bolsonaro trate sobre liberdade de expressão

Notícia Anterior

Cantora morre em acidente de carro aos 22 anos

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Geral