Geral

Moro: ‘Se eles têm uma metralhadora, nós temos que ter um tanque’

0
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

Alvo de um audacioso plano de atentado articulado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), o senador Sérgio Moro (União-PR), ex-juiz da Operação Lava Jato e ex-ministro da Justiça no governo Bolsonaro, defendeu nesta quarta-feira, 22, uma enérgica reação dos poderes contra o crime organizado.

Em pronunciamento na tribuna do Senado, ele pregou que a classe política e os órgãos de investigação não podem se ‘render’ ou ‘retroceder’ a ameaças e devem adotar ‘políticas rigorosas’ de combate às facções criminosas.

canal whats

“Se eles vêm pra cima da gente com uma faca, a gente tem que usar um revólver. Se eles usam um revólver, nós temos que ter uma metralhadora. Se eles têm uma metralhadora, nós temos que ter um tanque ou um carro de combate. Não no sentido literal, mas nós precisamos reagir às ações do crime organizado”, afirmou

Moro se disse ‘alarmado’ com a escalada do crime organizado no País e aproveitou para tentar articular a retomada de bandeiras previstas na versão original do seu ‘pacote anticrime’ – conjunto de medidas apresentadas quando ele ocupava a cadeira de ministro da Justiça.

“Os fatos de hoje revelam uma ousadia”, acrescentou. “Ou nós os enfrentamos ou quem vai pagar vão ser, não só as autoridades, mas a sociedade.”

O plano de atentado veio a público na manhã desta quarta com a operação deflagrada pela Polícia Federal para prender suspeitos de envolvimento no caso. Nove investigados foram capturados e à tarde passaram por audiência de custódia presidida pela juíza federal de Curitiba Gabriela Hardt.

Além de Moro, o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, que há quase vinte anos investiga o PCC, seria outro alvo da facção.



Chris Martin faz apelo para que fãs devolvam pulseiras de LED: ‘São muito caras’

Notícia Anterior

Diretor de novelas da Globo é acusado de assédio sexual e diz que sofreu extorsão

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Geral