Brasil e Mundo

EDITORIAL: Doria não é santo e nós sabemos disso

0
Foto: Governo do Estado de São Paulo
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
Maratona

Ontem, dia 17 de janeiro de 2021, o Brasil iniciou a vacinação contra o coronavírus. O vírus que se instalou no país no início do ano passado foi tema de debates intensos e motivo de disputa quase que eleitoral entre o presidente, Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

Doria não é santo e nós sabemos disso. Faz politica sobre tudo. Isso é natural.

------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
Portal telegram

De olho na cadeira de presidente da república, o governador foi ao trabalho e garantiu a vacinação para todos os brasileiros. Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não. Doria conseguiu uma parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac e trouxe para o país a CoronaVac, a única vacina disponível em solo brasileiro nesta primeira semana de vacinação.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), deu o aval para que o imunizante seja usado no país, aprovou por unanimidade, assim como a vacina de Oxford. A ciência passou de trator por cima do negacionismo de Bolsonaro – que chegou a dizer que não compraria as doses da vacina ‘chinesa’ – e seus apoiadores.

O crédito é do governador, não podemos negar isso. Pazuello e Bolsonaro são aqueles colegas de escola que esqueceram de fazer o trabalho e, no dia de entregar, pedem para colocar o nome para não ficar sem nota.

O ministério da Saúde requisitou todas as doses da vacina e iniciou nesta segunda-feira a distribuição para todos os estados. Junto, em cada frasco do imunizante está uma dose de esperança. Esperança para que o Brasil volte a ‘vida normal’ e caminhe para o progresso com saúde.

Ministro muda discurso e diz que vacinação começa ainda hoje

Notícia Anterior

Santista abre 50 vagas de emprego em Americana

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.