Cotidiano

Autores da redução do número vereadores gastaram mais de R$15 mil com gabinetes

0
Foto: Divulgação/Câmara
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
Tivoli Teatro

Autores do projeto de emenda a Lei Orgânica do Município de Americana, que diminui o número de vereadores na cidade, os vereadores Juninho Dias (MDB), Marschelo Meche (PSDB) e Welington Rezende (PRP), gastaram mais de R$ 15 mil em seus gabinetes no biênio 2017-2018. O valor não inclui os gastos de Geraldi Fanali(PRP), que também é autor do projeto, mas que assumiu no final do ano e também os gastos dos outros vereadores em dezembro de 2018.

Entre os autores, Juninho Dias está disparado na frente. Somente em 2017, ele usou R$ 6.259 com despesas do gabinete que inclui correspondências, Fotocópias, impressões, telefones móvel e fixo. Também está previsto nos gastos de cada gabinete o reembolso de combustível. 

Em 2018 Welington utilizou R$ 1.454,40 com fotocópias, conhecidas popularmente como “xerox”. ;No biênio, Dias gastou R$7.816, Rezende R$6.349 enquanto Meche R$1.166. Os valores podem ser consultados através do site da Câmara neste link.

Juntos, os quatro vereadores protocolaram um projeto na Câmara que altera o artigo 11 da Lei Orgânica do município. Com o projeto o número de vereadores passaria dos atuais 19 para 15, até que a cidade atinga 500 mil habitantes, ai então o número de cadeiras seria 21.

De acordo com a justificativa da emenda, a redução de cadeiras vai gerar uma economia de R$5 milhões por legislatura (4 anos). Se aprovada, a emenda só passa a valer para a próxima legislatura, que assume em 2021.

Atualmente cada vereador recebe R$ 10,3 mil brutos e possui a sua disposição três assessores com salários de R$5,2 mil, R$4,4 mil e R$3,1 mil, além de um estagiário com salário de R$1,3 mil. Somando, cada vereador custa cerca de R$ 24,3 mil por mês somente em custo bruto de pessoal.

EDITORIAL: Assim como o projeto de redução do ‘salário”(subsidio) dos vereadores, este parece ser mais um projeto popularesco e eleitoreiro de olho nas eleições de 2020. Welington já demonstrou interesse em sentar na cadeira do executivo, quando disputou a eleição suplementar da cidade em 2014, quando obteve 22 mil votos.

Juninho é o vereador mais votado do MDB, partido do prefeito e do ex-presidente Michel Temer, e pode ser um dos nomes da sigla na próxima eleição.

Já Meche tenta a todo momento se posicionar a favor de projetos do gênero nas redes sociais. Vale ressaltar que Meche é ator do projeto de redução do salário dos vereadores, mas é um dos que mais faltaram no biênio, resultando no pagamento de suplentes, mais gastos aos cofres da Câmara. É esperar 2020.


PF pede 90 dias para fechar inquérito sobre atentado contra Bolsonaro

Notícia Anterior

Hospital Municipal divulga campanha “Janeiro Branco”

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Cotidiano