Cotidiano

Estudo demonstra que Coronavac é eficaz contra casos graves da variante delta

0
Foto: Divulgação/GOVSP
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
Tivoli Teatro

O Governador João Doria apresentou estudo feito por pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da província de Cantão (Guangdong), na China, que demonstra que a Coronavac evita em 100% o desenvolvimento de casos graves de COVID-19 causados pela variante delta do SARS-CoV-2 e tem eficácia de 69,5% contra pneumonias decorrentes da doença.

“Esse é a conclusão do primeiro estudo publicado sobre a eficácia da Coronavac, vacina do Butantan e da biofarmacêutica chinesa Sinovac contra a COVID-19, na prevenção de pneumonias e casos graves causados pela variante delta”, disse Doria.

As descobertas estão no artigo “Effectiveness of Inactivated COVID-19 Vaccines Against Covid-19 Pneumonia and Severe Illness Caused by the B.1.617.2 (Delta) Variant: Evidence from an Outbreak in Guangdong, China”, publicado em uma plataforma vinculada à revista The Lancet, uma das mais importantes publicações médicas do mundo.

Os pesquisadores concluíram que a imunização total com duas doses foi 69,5% eficaz para prevenir pneumonia, um dos desdobramentos mais graves da COVID-19. Entre os não vacinados, houve 85 casos (1,44%); entre os vacinados com uma dose, 12 casos (1,42%); e entre os vacinados com duas doses, cinco casos (0,35%).

Além disso, não foram registrados casos críticos entre os vacinados, indicando que os imunizantes analisados têm 100% de eficácia contra o desenvolvimento de casos graves de COVID-19 causados pela variante delta – entre os não vacinados, houve 19 casos graves ou críticos.

O estudo envolveu 10.813 pessoas e foi realizado em maio e junho de 2021, durante um surto da variante delta. Com exceção do grupo controle, os participantes haviam sido vacinados com uma das quatro vacinas de vírus inativado autorizadas para uso emergencial na China – a vacina da Sinovac (que no Brasil é chamada Coronavac), as vacinas HB02 e WIV04, da Sinopharm, e a BICV, da Biokangtai.

Dos quase 11 mil voluntários, 5.888 (54,45%) não foram vacinados, 3.130 tomaram a primeira dose e 1.795 tomaram as duas doses. Entre os participantes que tomaram a primeira dose, 48,57% (2.392 pessoas) foram imunizadas com a vacina da Sinovac; entre os que receberam as duas doses, o indicador foi de 58,28% (1.046 pessoas).

O estudo foi feito com pessoas não vacinadas e vacinadas com uma ou duas doses porque quando o surto da variante delta começou em Cantão, a imunização em massa ainda estava em andamento. Para a análise, os pesquisadores usaram dados de vigilância sanitária e de vacinação.

“A vacina dada em duas doses tem uma efetivamente que varia entre 69% a 77% em relação à proteção de pneumonia, que é o quadro mais grave. Isso é uma boa notícia, um dos primeiros estudos do que chamamos de mundo real, demonstrando a efetivamente da Coronavac contra a variante delta”, reforçou o Presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.


São Paulo registra 171 casos da variante Delta do novo coronavírus

Notícia Anterior

Desenvolvimento Econômico e Senai abrem matrícula para cursos gratuitos

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Cotidiano