Cotidiano

Queixas contra operadoras de telecom caem 22,7% com serviço que bloqueia chamada

0
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

O número de reclamações de usuários de serviços de telecomunicações caiu 22,7% em 2022 na comparação com 2021, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) reunidos pela Conexis, o sindicato das empresas do setor.

Durante todo o ano de 2021 foram 2,228 milhões de reclamações registradas, enquanto em 2022 elas caíram para 1,721 milhões. Ou seja, uma redução de 506,9 mil queixas.

canal whats

Boa parte das quedas nas reclamações está ligada à implementação plataforma “Não Me Perturbe”, que permite o bloqueio de ligações de telemarketing das empresas de telecomunicações e de oferta de crédito consignado. A plataforma tem mais de 11 milhões de números cadastrados.

O presidente da Conexis, Marcos Ferrari, também atribuiu a quedas acentuada nas reclamações às ações do setor e das políticas de autorregulação adotadas pelas empresas.

O Sistema de Autorregulação das Telecomunicações (Sart) completará três anos. O sistema é um conjunto de princípios, regras, estruturas organizacionais, instrumentos, mecanismos de deliberação e procedimentos de autodisciplina que visam a permitir uma regulação efetiva e eficiente do setor. Participam do Sart as maiores empresas do País: Algar, Claro, Oi, Sercomtel, Sky, TIM e Vivo.

“Os resultados mostram que ele não só deu certo, como ampliar a autorregulação é positivo para o consumidor e importante para o desenvolvimento do setor”, afirmou o presidente da Conexis, em nota.

Entre os serviços, a TV por assinatura teve a maior queda anual. O número de queixas caiu 26,3% em 2022 ante 2021. As reclamações relacionadas ao serviço de banda larga fixa caíram 21,6% e as relacionadas à telefonia móvel, 16,9%.



Lula: ‘Bozo’ foi se esconder nos EUA com medo de passar a posse

Notícia Anterior

Lula assina medida provisória que retoma o Minha Casa, Minha Vida

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Cotidiano