Cotidiano

Mais de 1,5 mil pacientes em SP tiveram alta após contraírem covid-19

0
------ CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ------ 
FAM 2023

O secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, informou hoje (13) que 1.524 pessoas já tiveram alta médica após terem contraído o coronavírus no estado de São Paulo. “Podemos dizer que tivemos uma recuperação de 1.524 pessoas”, disse.

O estado de São Paulo tem, atualmente, 8.755 casos confirmados de coronavírus, com 588 óbitos. Há ainda 836 pessoas internadas em estado grave em unidades de tratamento intensivo (UTI) e 901 em enfermarias. “Estamos com muitos pacientes internados em enfermarias. Muitos pacientes internados em UTI. [A covid-19, doença provocada pelo coronavírus] continua sendo uma doença extremamente grave. Por isso precisamos continuar com o apoio da população [para manter o isolamento] para diminuir o pico e aumentar o achatamento [da curva] para que isso implique menos nos serviços de saúde. Continuamos lidando com uma doença muito grave e ainda vamos ter o pico dela nas próximas semanas”, disse o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo.


????Participe do grupo de empregos do Portal de Americana no WhatsApp. Clique no link: https://bit.ly/3TIWfzS

Para dar mais transparência a esses números, com mais informações sobre o número de internados, perfil dos casos e prevalência por idade e sexo, entre outros, o governo de São Paulo prometeu fazer, a partir de amanhã (14), uma coletiva diária da Secretaria Estadual da Saúde. As coletivas terão início sempre às 15h.

“É absolutamente importante que a sociedade conheça o número de leitos, o perfil dos pacientes que estão sendo internados, a prevalência por idade e sexo. São dados que são minuciosos, mas que precisam ser mais bem passados para a população”, disse Uip.


Unimed 1


Americana confirma sétimo caso de Covid-19

Notícia Anterior

Moradoras de Americana doam bicicleta para vendedor que foi furtado

Próxima Notícia

Aproveite e leia também

Comentários

Não é permitido comentar nesta notícia.

Mais em Cotidiano